O uso da preposição na prova do Enem

Depois de falar sobre o uso da conjunção para estabelecer relações corretas entre os períodos na argumentação do texto dissertativo na prova do Enem, retomo o assunto falando agora sobre aspreposições. Erroneamente deixadas de lado, as preposições recebem a fama de serem palavras vazias de sentido. A fama não procede e neste artigo mostrarei como elas são importantes para estabelecer relações corretas de sentido.

Preposição

Preposição é a palavra que estabelece uma relação entre dois ou mais termos da oração. Essa relação é do tipo subordinativa, ou seja, entre os elementos ligados pela preposição não há sentido dissociado, separado, individualizado; ao contrário, o sentido da expressão é dependente da união de todos os elementos que a preposição vincula. Exemplos:

Os amigos de João estranharam o seu modo de vestir.
[amigos de João / modo de vestir: elementos ligados por preposição] [de: preposição]

Ela esperou com entusiasmo aquele breve passeio.
[esperou com entusiasmo: elementos ligados por preposição] [com: preposição]

Esse tipo de relação é considerada uma conexão, em que os conectivos cumprem a função de ligar elementos. A preposição é um desses conectivos e se presta a ligar palavras entre si num processo de subordinação denominado regência.

Diz-se regência devido ao fato de que, na relação estabelecida pelas preposições, o primeiro elemento -chamado antecedente - é o termo que rege, que impõe um regime; o segundo elemento, por sua vez -chamado consequente - é o temo regido, aquele que cumpre o regime estabelecido pelo antecedente. Exemplos:

A hora das refeições é sagrada.
[hora das refeições: elementos ligados por preposição]
[de - as = das: preposição]
[hora: termo antecedente = rege a construção "das refeições"] refeições: termo consequente = é regido pela construção "hora da"]

Alguém passou por aqui.
[passou por aqui: elementos ligados por preposição]
[por: preposição]
[passou: termo antecedente = rege a construção "por aqui"]
[aqui: termo consequente = é regido pela construção "passou por"]

As preposições são palavras invariáveis, pois não sofrem flexão de gênero, número ou variação em grau como os nomes, nem de pessoa, número, tempo, modo, aspecto e voz como os verbos. No entanto em diversas situações as preposições se combinam a outras palavras da língua (fenômeno da contração) e, assim, estabelecem uma relação de concordância em gênero e número com essas palavras às quais se liga. Mesmo assim, não se trata de uma variação própria da preposição, mas sim da palavra com a qual ela se funde (ex.: de + o = do; por + a = pela; em + um = num, etc).

Veja em nossos próximos artigos 5 curiosidades no uso das preposições no Enem e também como e por que se faz a omissão da preposição.